A Professora Heleieth Saffioti (1934-2010) sempre lembrava que deve ser permanente e hasteadas todos os dias as bandeiras de direitos das mulheres. As mulheres devem estar vigilantes quanto a preservação das vidas, a liberdade de escolha, e a integridade pelo que se fala, sente e age. Sim, a sororidade entre as mulheres existe, foi ela que possibilitou as conquistas que hoje se tem com muito suor e lágrimas.

Em tempos em que a irracionalidade e a suspensão de direitos conquistados está em voga, falar em nome dos movimentos sociais de mulheres ou da pauta que as atinge parece muito simples, e novamente tratam como mais um tema sem importância ou que, qualquer um pode dar palpite, mesmo sem conhecer a diversidade e a complexidade da temática em si.

Os vereadores de São Carlos/SP, os seus respectivos mandatos, podem definir homenagens e congratulações a quem lhes for importante. O espaço político legislativo, independente das divergências, é construído dessa forma.

Mesmo assim, pontua-se que o governo federal de forma geral e a política relacionada às mulheres em particular é danosa à todas as mulheres: trabalhadoras do campo e da cidade, intelectuais, empreendedoras, servidoras públicas e, principalmente as mulheres mais pobres, negras, desempregadas que dependem dos projetos e estruturas do Estado para conseguirem preservar suas vidas e terem perspectivas de trabalho e dignidade. Infelizmente a Mininstra Damaris não só tem se associado a essa pauta excludente com relação às mulheres como tem incentivado a discriminação, o preconceito e o machismo sobre cada uma de nós, como se fossemos inimigas entre si. Para ela a sororidade não existe.

Ao mesmo tempo, construir pautas propositivas, que possibilitem superar o momento de ataque frontal às nossas conquistas é fundamental. Essa construção é feita de mãos dadas, assim como os movimentos de mulheres tem atuado. Jamais, em nenhum momento, incluindo na história dos movimentos das mulheres no Brasil, se acreditou que a violência para alguns era o caminho para a conquista de liberdade de outras.

Repudiamos a declaração feita pelo senhor José Renato e todas as falas e as ações públicas que desconstroem os valores humanos, as relações sociais e demonstram a mais perversa ideia do que se é mulher e como essa se apresenta à sociedade.

Comitê Municipal PCdoB

São Carlos

28 de outubro de 2019